Neste artigo você vai aprender como se organizar e priorizar tarefas e atividades importantes.

 

O tema produtividade está em alta e cada vez mais pessoas querem ser mais produtivas e menos procrastinadoras (outro tema em alta).

Seja para organizar melhor a rotina, seja para dar conta do home office e da casa ao mesmo tempo, seja para conseguir tocar um segundo trabalho ou fazer melhor e mais rápido o que já fazemos, para termos mais tempo disponível.

Este último foi o meu motivador para começar a estudar produtividade a fundo anos atrás. Eu estava em uma carreira completamente desalinhada comigo mesmo e sofria insatisfação constante. Não tinha tempo para nada, estava sempre esgotado e não conseguia dar vazão às outras atividades da minha vida que queria fazer. A “brilhante” solução: serei mais produtivo, assim concluo mais rápido o que não gosto de fazer para sobrar mais tempo para fazer o que quero da minha vida.

Esta foi uma grande cilada, a chamada produtividade venenosa. Eu estava buscando mascarar um grande problema, tentando colocá-lo de lado fazendo mais rápido. Quando nos tornamos mais produtivos, estamos melhorando nossa performance ao realizar determinada tarefa. Por isso, o primeiro passo é fundamental: ter clareza do que queremos. Produtividade é apenas um instrumento, uma ferramenta.

A clareza do que você quer para sua vida e para seus próximos passos profissionais é o mais importante. Estar alinhado com o que você quer para você é a verdadeira fonte de satisfação. Teremos dias bons e dias ruins, mas com este alinhamento, a sensação de satisfação é maior e contínua, mesmo em dias ruins.

O mito do Equilíbrio de vida

É comum associarmos produtividade com equilíbrio de vida.

Todos nós desempenhamos vários papeis na nossa vida. De funcionário ou empreendedor, de marido, esposa, de pai ou mãe, namorado ou namorada, filha ou filho, irmã ou irmão, amigo, voluntário, na igreja, parente etc. Temos um papel muito importante a desempenhar e que muitas vezes deixamos de lado: o papel de cuidar de nós mesmos.

São vários papeis que desempenhamos de acordo com nossos relacionamentos, atividades e trabalhos. E é difícil encontrar alguém que não se sinta sufocado ou que não está dando conta de todos estes papeis. Temos a sensação de que precisamos dar conta de todos eles, ao mesmo tempo e que todos eles precisam estar em equilíbrio. Equilíbrio entre vida profissional e vida pessoal. Caso contrário, sentimos que estamos em dívida ou não fazendo o suficiente. Sentimento de que precisamos dar conta de tudo, o tempo todo e é um sentimento exaustivo.

Exercício 1: pense rapidamente e anote todos os papeis que você desempenha hoje. Agora, o que você sente que precisa fazer em cada papel para que ele esteja em equilíbrio? Escreva para cada um deles.

Quando buscamos o chamado equilíbrio de vida, equilíbrio de todos os papeis é como se imaginássemos uma forma perfeita onde tudo está organizado, equilibrado, o ponto ideal que não vamos mais mexer. É como se quiséssemos ajustar nossa rota de maneira perfeita, sem mais se preocupar com ela pois está tudo em equilíbrio.

E enquanto este ponto ótimo não é alcançado, sentimos que algo está errado.

E este é um grande mito. Pois este ponto ótimo não existe, afinal qualquer pequeno imprevisto iria derrubar a estrutura toda. Nós passamos muito tempo buscando este equilíbrio ideal que não existe ou que funcionaria por apenas algum momento.

A estratégia de balancear no lugar de equilibrar

Gosto muito de um conceito que aprendi no livro A Única Cousa, de Gary Kelle e Jay Papasan, e trabalho com muitos dos meus clientes. No lugar de buscar equilíbrio, buscamos balancear os nossos papeis. É simples e genial. Equilíbrio é o ponto ideal onde tudo está rodando de maneira tranquila, certinha e organizada o tempo todo. Balancear é entendermos que temos vários papeis e em momentos da vida, do mês, da semana, em alguns papeis iremos dar mais foco do que em outros. É natural. Vão existir momentos em que iremos dar mais foco em um projeto, ou trabalho importante e que acreditamos. E é natural que outros papeis passem a receber menos tempo e energia. Logo depois, balanceamos a equação novamente e podemos conscientemente trazer mais foco e energia para os papeis que não demos tanta atenção na vida pessoal. E continuamente prestamos atenção para onde está a balança e fazemos escolhas conscientes.

Ajuste de rota continuamente. Não existe uma rota só, segura e certa para o resto da vida. É tudo muito dinâmico.

O grande perigo e que acontece com muitas pessoas é deixar a balança pendendo para apenas um lado, o tempo todo. Mergulham no trabalho e deixam os outros papeis em segundo plano por meses e anos. Algumas pessoas por décadas. E isto é ou será uma grande fonte de insatisfação. A simplicidade e genialidade é balancear os papeis continuamente. Em um período um foco maior no trabalho para entrega de algo importante, na sequência balancear com mais tempo/atividades com a família, com projetos pessoais. Continuamente distribuirmos os pesos na balança dos nossos papeis.

Basta se organizar e priorizar os seus papeis mais importantes para aquele momento da sua vida. Você pode pensar que dá trabalho, mas viver uma vida cansada e com autocobrança também dá trabalho. Eu diria que dá mais trabalho. 🙂

Não tente dar conta de tudo o tempo todo.

E como colocar em prática?

Exercício 2: Eu gosto muito de olhar uma vez por semana para todos os meus papeis. E decidir, naquela semana, quais são os papeis que preciso dar conta e focar. Coloco em uma folha de papel simples ou no meu planner que uso para me organizar. Tenho sempre muita atenção para comparar com as semanas anteriores e enxergar se existe algum ponto de atenção, se existe algum papel que não estou dando muita importância. Eu faço um exercício constante de trazer mais peso na balança para o cuidado comigo mesmo e para minhas relações mais importantes, pois é natural para mim pender a balança para o lado do trabalho e produção.

Para cada pessoa é diferente, por isso você precisa se conhecer. É um exercício que não dura 5 minutos. Na semana passada eu percebi que um papel importante de “amigo”, com pessoas pelas quais tenho muito carinho e estava desbalanceado. Fazia tempo que não conversava com amigos queridos, a não ser por trivialidades em grupos de whats app. Eu liguei para cada um deles naquela semana. Foram 3 ligações de 10 minutos cada. Meia hora. E uma sensação muito boa de estar mais próximo de pessoas queridas.

Quando um papel está desequilibrado é provável que ele contamine outros papéis e passamos a ter a impressão de que está tudo errado. E muitas vezes, uma pequena ação, uma ligação para alguém que não falamos faz tempo, 30 minutos de uma semana são suficientes para ajustar a balança novamente.

É difícil conseguir falar todo dia ou até toda semana. Mas uma vez por mês, é totalmente possível. Não é falta de tempo, é falta de priorizar.

É simples e muito prático!

As tarefas do trabalho e de produção nunca vão acabar. Sempre teremos coisas para fazer. Assim que terminarmos a lista toda, teremos uma nova lista fresquinha. Cuidado para não “desbalancear” as outras áreas da sua vida com o pensamento de que “um dia estará tudo equilibrado”.

Quero ouvir de você, qual ou quais papeis você sente que precisa balancear? Qual pequena ação que pode fazer para balancear?

Fonte: Portal Contábeis 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *